domingo, 24 de agosto de 2008

A Imagem

Octavio Paz, um dos principais pensadores de signo da literatura hispano-americana, admite em seu texto "A imagem" que, apesar de possuir vários significados, imagem, em sua essência, consiste em "toda a forma verbal, frase ou conjunto de frases que o poeta diz e que unidos formam um opema".Imagens ou poemas compostos de imagens, podem conter diversas siginificações, podendo inclusive, serem contraditórias ou díspares. Nesse sentido, a imagem vem para suprir o vazio dos vocábulos em sua indeterminância e alternância de significados. A imagem, surge então, nesse local obscuro entre os vocábulos e seus significados para submeter a pluralidade da palavra à singularidade do significado que consiste, por sua vez, na própria imagem.

Devido à tal relação a imagem viola as leis do pensamento. Como exemplo, Paz faz alusão às pedras e as plumas e quão assustadora é, para uma criança, a percepção de que 1 kg de pedras se equivale ao peso de 1kg de plumas. Esse estranhamento é explicável devido ao fato de que muito custa submeter a imagem de pedras (pesadas) e plumas (leves) à abstração quilo. Eis que a imagem por nós criada de tais elementos, não concorda com a realidade matemática desse fenômeno.

Desde Parmênides, os pilares da filosofia foram estabelecidos de acordo com um parâmetro de clareza de idéias, uma espécie de "lugar seguro" do pensar: "o que é, é". O pensamento oriental, no entanto, procura transceder a barreira do isto e do aquilo.

Erlo Barbosa

Nenhum comentário: